sábado, 8 de março de 2014

Venezuela comemora declaração da OEA: "vitória da dignidade"

Terra / EFE
08 de Março de 2014•04h07 • atualizado às 04h08

O governo da Venezuela comemorou nesta sexta-feira como uma "vitória da dignidade" a declaração de solidariedade do Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos (OEA), que pede a continuação do diálogo e lamenta as mortes no país, com 29 votos a favor e 3 contra, de EUA, Canadá e Panamá.

"Mais do que da Venezuela, acho que é uma vitória da dignidade da América Latina e do Caribe", disse o chanceler venezuelano, Elías Jaua, durante um contato telefônico com o canal estatal VTV, no qual também afirmou que essa declaração é "a favor da paz, do diálogo e da institucionalidade democrática" no país.

O ministro das Relações Exteriores disse que "todo o aparelho de propaganda montado contra a Venezuela foi sendo desmoronado pela moral e pela verdade do povo venezuelano".

Acrescentou que agora o mundo sabe que o país sul-americano "não enfrenta manifestantes pacíficos", mas uma "corrente violenta que tenta derrubar o governo legítimo e constitucional de Nicolás Maduro".

Jaua reiterou que nesta sexta-feira se expressou a dignidade de todo o continente "com a lamentável exceção" do Panamá, que assumiu - disse - "posições abjetas". O governo do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, rompeu relações com o Panamá na última quarta-feira.

Em nome de Maduro, o chefe da diplomacia venezuelana agradeceu os países que apoiaram a Venezuela por sua solidariedade, "especialmente" aos países do Caribe que se expressaram - declarou - apesar "das pressões" dos Estados Unidos.

Jaua afirmou que o governo venezuelano "não se surpreende" com a falta de apoio dos Estados Unidos e do Canadá e que, no caso do Panamá, "o império" - forma como chama os EUA - tem "seu centro e sua articulação" e assinalou que "foi de lá que saiu todo esse movimento para derrubar o governo legitimo da Venezuela".

O ministro das Relações Exteriores disse que na reunião de chanceleres da União das Nações Sul-americanas (Unasul), que será realizada na próxima quarta-feira em Santiago do Chile para tratar da situação da Venezuela, é esperada "uma declaração contundente" e na qual vai comparecer "com todas as expectativas, e muito mais depois dessa heroica vitória".

Além disso, antecipou que a Venezuela avaliará nessa reunião "qualquer tipo de apoio para o acompanhamento do diálogo promovido pelo presidente" Maduro através da conferência nacional da paz, inaugurada na semana passada.

O Conselho Permanente da OEA aprovou nesta sexta-feira por maioria uma declaração conjunta na qual reconhece e "apoia" o diálogo iniciado pela Venezuela e pede a continuação do mesmo, o respeito aos direitos humanos, além de expressar seu apreço pela não intervenção nos assuntos internos do país.

O texto expressa o "reconhecimento, o apoio pleno e o incentivo às iniciativas e aos esforços do governo democraticamente eleito da Venezuela e de todos os setores políticos, econômicos e sociais para que continuem avançando no processo de diálogo nacional, para a reconciliação política e social".

Além disso, mostra sua "mais enérgica rejeição a toda forma de violência e intolerância e faz o pedido de paz, tranquilidade e respeito aos direitos humanos e às liberdades fundamentais - incluindo os direitos à liberdade de expressão e reunião pacífica, circulação, saúde e educação - a todos os setores".

A reunião da OEA foi realizada para analisar a onda de protestos contra o governo que a Venezuela vive desde 12 de fevereiro e que, em alguns casos, se tornaram violentos, ao causar pelo menos 19 mortes, 318 feridos e 1.103 pessoas presas, segundo dados oficiais.
http://noticias.terra.com.br/mundo/america-latina/venezuela-comemora-declaracao-da-oea-vitoria-da-dignidade,eb388f1dedf94410VgnCLD2000000ec6eb0aRCRD.html

Nenhum comentário: