segunda-feira, 3 de março de 2014

Com referendo, Crimeia pode mudar status e se tornar Estado

Terra / EFE
02 de Março de 2014•10h02 • atualizado às 10h03

Presidente do Parlamento da Crimeia diz que referendo mudará status da região; população será questionada sobre o futuro no dia 30 de março

O presidente do Parlamento da república autônoma ucraniana da Crimeia, Vladimir Konstantinov, anunciou neste domingo que no referendo convocado para o próximo dia 30 de março a população será questionada se deseja que esta região obtenha "status de Estado".

"Vamos colocar a questão sobre a mudança de status de autonomia da Crimeia ao de Estado. E sobre esta base planejamos construir relações com o poder central sobre princípios contratuais", afirmou Konstantinov em entrevista coletiva em Simferopol, capital da Crimeia.

Pouco após oferecer a entrevista coletiva, um caminhão chegou às portas do Parlamento e os operários começaram a retirar as bandeiras ucranianas da praça e a substituí-las por bandeiras crimeas, segundo as imagens divulgadas.

O Legislativo local decidiu no último dia 27 de fevereiro convocar um referendo para "ampliar a autonomia" da Crimeia e fixou a data de 25 de maio, mas ontem, coincidindo com o avanço das tropas russas na região, o primeiro-ministro pró-russo, Sergei Axionov, anunciou a antecipação da consulta para 30 de março.

De acordo com o anunciado pelo Legislativo, a pergunta que deve ser submetida à consulta popular é: "Você apoia a autodeterminação da Crimeia no seio da Ucrânia sobre a base dos acordos e tratados internacionais?"

Hoje, na entrevista coletiva, o presidente do Parlamento acrescentou que este "não reconhece as novas autoridades de Kiev", chegadas ao poder após uma revolta popular de três meses.

"Até hoje temos um presidente legítimo, em quem votou a maioria da população da Crimeia, e é Viktor Yanukovich", disse Konstantinov.
http://noticias.terra.com.br/mundo/europa/com-referendo-crimeia-pode-mudar-status-e-se-tornar-estado,51db0eb051f74410VgnCLD2000000dc6eb0aRCRD.html

Nenhum comentário: