domingo, 2 de fevereiro de 2014

Uruguai delimita venda de maconha a estrangeiros

Resenha EB / Estadão.com.br / Eloisa Capurro ESPECIAL PARA O ESTADO
02 Fev 2014

MONTEVIDÉU

Brasileiros e outros estrangeiros que moram no Uruguai poderão ter acesso ao mercado da maconha legal desde que comprovem 90 dias de residência no país. O secretario da Junta Nacional de Drogas do Uruguai, Julio Calzada, disseem entrevista ao Estado que o governo considera este um"tempo razoável" de residência para que os estrangeiros vivendo no país possam consumir a erva com fins recreativos.

A regulamentação da lei 19.172 – que cria o primeiro mercado estatal e legal da maconha nomundo– ainda é analisada pelo organismo com os ministérios de Saúde, Interior, Gado, Economia, Relações Exteriores e Educação e Cultura.

Um grupo de 30 pessoas trabalha nos detalhes do consumo para fins recreativos da droga, o que deve ocorrer em abril. A regulamentação do consumo para uso medicinal da droga ainda demorará três meses mais.

"É um trabalho muito complexo. É como uma rua onde você tem mais de 10 faixas, todas paralelas, e tem que trabalhar em cada uma", disse Calzada.

Segundo a lei, os uruguaios e estrangeiros residentes no Uruguai poderão comprar até 40 gramas da maconha em farmácias, sob prévia inscrição num registro de consumidores. Tambémse habilitarão clubes especializados e a possibilidade do cultivo próprio. A produção da droga será controlada pelo Estado, que concederá licenças a empresas por meio do Instituto de Regulação e Controle do Cannabis (IRCCA).

Calzada disse ao Estado que os estrangeiros, além de comprar a droga após comprovar a residênciamínima no país, poderão participar do mercado da produção. Ainda é discutido quanto tempo de residência será exigido deles para participar dessa atividade.

"Estamos pensando em criar cinco variedades da maconha como selodo IRCCA. Para isso, vamos definir 10 hectares, e inicialmente podem ser menos. Nós vamos orientar as empresas onde plantar. E não estamos pensando em lugares perto da fronteira", disse Calzada. O Estado acredita que com 10 hectares pode produzir as 20 toneladas necessárias para abastecer o mercado nacional. Ainda se discute se a produção será contínua ou por estações e quais serão os sistemas de segurança para evitar o contrabando.

A Junta Nacional de Drogas estima que o Estado vai deter 90% d omercado de cultivo, enquantoos clubes os"autocultivadores" representarão 10%.

A plantação para o consumo recreativo será em estufas fechadas. A droga custará US$ 1 por grama, mas o preço terá "elasticidade" para competir com o mercado ilegal, e também pagará impostos.

"O mercado uruguaio é pequeno. Em um ano, 120 mil pessoas consomem maconha no país. Calculamos que sejam 70 mil por mês. Destes, 20 mil são pessoas que consomem 40 gramas e o restante consome 10 gramas.O dinheiro que o mercado moverá não é todo lucro, há muito investimento",disse Calzada.

O organismo trabalha na criação do registro de consumidores que deverá assegurar o anonimato dos usuários da droga. Um software estará disponível Nas farmácias onde o usuário será identificado não por seu nome, mas por um código. As farmácias darão informação sobre eventuais problemas no consumo da droga.

"Temos duas obsessões: qual será o volume de produção e aonde irá o volume que produzimos? Temos de nos certificar disso.Temos de fazer o rastreamento da planta e seu seguimento", afirmou o secretário.

Parcerias

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada do Brasil (Ipea) terá um papel de assessoria no comitê científico que a lei cria. Também como conselheiros poderão participar a Organização Mundial da Saúde (OMS) e universidades dos Estados Unidos e da Itália.

"Não somos arrogantes e temos o critério deescutar as opiniões de outros, porque é gente que estudou durante muitos anos o comportamento do mercado de drogas. Estamos interessados em conhecer como fizeram suas investigações, que critérios metodológicos usaram. Mas eles não vão participarn o desenvolvimento da política. O comitê científico estará integrado pelo uruguaios", afirmou
http://www.eb.mil.br/web/imprensa/resenha?p_p_id=56&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-3&p_p_col_count=1&_56_groupId=18107&_56_articleId=4547525&_56_returnToFullPageURL=http%3A%2F%2Fwww.eb.mil.br%2Fweb%2Fimprensa%2Fresenha%3Fp_auth%3DZeeRMZ5W%26p_p_id%3Darquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d%26p_p_lifecycle%3D1%26p_p_state%3Dnormal%26p_p_mode%3Dview%26p_p_col_id%3Dcolumn-3%26p_p_col_count%3D1%26_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_mes%3D2%26_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_ano%3D2014%26_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_data%3D02022014%26_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_javax.portlet.action%3DdoSearch#.Uu5OaD1dVIU

Nenhum comentário: