domingo, 23 de fevereiro de 2014

Pensão de filhas de militares custa R$ 5 bi

Resenha EB / Correio Braziliense / ANTONIO TEMÓTEO
23 Fev 2014

Pensões de herdeiras de membros das Forças Armadas batem recorde. Delas, 17 descendem de ex-combatentes da Guerra do Paraguai

Sob pressão do mercado para cortar gastos e evitar que o país seja rebaixado pelas agências de classificação de risco em pleno ano eleitoral, o governo enfrenta um grande dilema: arcar com pensões para mais de 103 mil filhas de militares. O pagamento desses benefícios pelo Tesouro Nacional consome quase R$ 5 bilhões por ano. A benevolência com as herdeiras de integrantes das Forças Armadas é tamanha que 17 são descendentes de ex-combatentes do Exército que lutaram na Guerra do Paraguai, entre 1864 e 1870. No total, pelas contas do Ministério da Defesa, as pensões a beneficiários de militares, incluindo as filhas, praticamente dobraram em uma década, passando de R$ 5,4 bilhões, em 2004, para R$ 10,3 bilhões em 2013.

As filhas de militares ganharam o direito de receber pensão vitalícia com a aprovação da Lei nº 3.765, de 1960. Pelo texto, o benefício seria pago somente às solteiras, o que levou várias delas a manter casamentos sem sacramentar a união no civil. As 17 herdeiras daqueles que lutaram na Guerra do Paraguai, por sua vez, foram contempladas anteriormente, com a promulgação da Lei nº 488, de 1948. Procurado pelo Correio para fornecer nomes e contatos delas, o Exército informou que não tinha autorização para isso. Sem esses dados, a reportagem calculou, empiricamente, a idade de uma das beneficiárias que teria nascido em 1900, 30 anos após o fim do conflito. Ela teria hoje 113 anos.

A Medida Provisória 2.215-10, de 31 de agosto de 2001, depois transformada em lei, extinguiu a regra instituída 41 anos antes, que dava às herdeiras solteiras, ainda que maiores de idade, o direito de receber pensões vitalícias. Entretanto, a legislação não acabou completamente com os benefícios. Estabeleceu que, para garantir a pensão eterna à família, os militares teriam de contribuir com 1,5% do soldo. Foi um alívio às filhas dos funcionários das Forças Armadas, que sonhavam concretizar o casamento. Isso porque os pais que passaram a pagar tal contribuição as livraram da possibilidade de ficar sem o benefício a partir da união civil. Pelas regras em vigor, o direito à pensão depende da contribuição e não está condicionado ao estado civil dos familiares beneficiados.

Anualmente, o Exército gasta R$ 3,5 bilhões com as pensões de filhas de militares. Já a Aeronáutica desembolsa R$ 444 milhões. A Marinha, com R$ 1,1 bilhão, afirma que, em médio prazo, essas despesas tendem a diminuir e, a longo prazo, desaparecerão.

Rombo no caixa

Na opinião do especialista em Previdência Renato Follador, a política de concessão de pensões no Brasil precisa seguir o modelo europeu. No Velho Continente, diz ele, quando um membro de uma família de quatro pessoas morre, o benefício é reduzido em 25%. E quando um cônjugue de um casal sem filho perde a vida, a redução chega a 50% do valor recebido. "No Brasil, não há qualquer corte nos benefícios, independentemente de idade e grau de instrução nem sequer é necessário comprovar a necessidade de se receber a remuneração", afirma

Follador ainda considera uma aberração o fato de filhas de militares, casadas, independentes e empregadas receberam pensão. Para ele, esse mecanismo contribui para aumentar o rombo na Previdência do setor público, que chegou a mais de R$ 62 bilhões em 2013. "Esses privilégios são um absurdo. Assim como o sistema de benefícios do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) precisa de reformas, os pagamentos a herdeiras de militares deveriam ser abolidos", completa.

O especialista em finanças públicas da Universidade de Brasília (UnB) José Matias-Pereira alerta que os direitos adquiridos pelas filhas de militares que tiveram acesso a pensão antes da Medida Provisória 2.215-10 não podem ser alterados. Ele tem como base estudos e cálculos das Forças Armadas para projetar que a queda nos gastos com benefícios vitalícios deve ocorrer com maior intensidade a partir de 2030, e isso deve aliviar o caixa do Tesouro Nacional.

Matias-Pereira também chama a atenção para o fato de essa discussão ser apenas um dos problemas do sistema de previdência pública brasileira. "O Brasil enfrenta uma situação preocupante, porque a população vive cada vez mais e se aposenta cada vez mais jovem em relação à expectativa de vida. Isso acaba com a viabilidade financeira e atuarial da Previdência Social e, consequentemente, das contas públicas", destaca.

O especialista ainda aponta que o governo deixou de lado a reforma da Previdência Social, algo com potencial danoso tanto para a economia brasileira quanto para o futuro da população.

Ministério corta pagamentos

Um grupo de 27.612 pensionistas do Ministério dos Transportes em todo o país teve os benefícios suspensos sem comunicação prévia. Entre as punidas estão filhas solteiras que recebem pensão por morte do pai ex-servidor público. As beneficiárias só descobriram o corte do pagamento quando foram ao banco sacar o dinheiro. Elas terão que apresentar um rol de documentos comprovando a dependência financeira, para manter o benefício. O Ministério dos Transportes alega que suspendeu o pagamento por incorreções ou ausência de informações nos cadastros.
http://www.eb.mil.br/web/imprensa/resenha?p_p_id=56&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-3&p_p_col_count=1&_56_groupId=18107&_56_articleId=4730040&_56_returnToFullPageURL=http%3A%2F%2Fwww.eb.mil.br%2Fweb%2Fimprensa%2Fresenha%3Fp_auth%3DKNWtP1rb%26p_p_id%3Darquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d%26p_p_lifecycle%3D1%26p_p_state%3Dnormal%26p_p_mode%3Dview%26p_p_col_id%3Dcolumn-3%26p_p_col_count%3D1%26_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_mes%3D2%26_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_ano%3D2014%26_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_data%3D23022014%26_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_javax.portlet.action%3DdoSearch#.UwqMB-NdX38

Nenhum comentário: