domingo, 2 de fevereiro de 2014

Malfeito vira credencial na Esplanada

Resenha EB / Correio Braziliense
02 Fev 2014

Visão do Correio

De um lado, a ministra Ideli Salvatti, acusada de falha ética pela própria Presidência da República, permanece no cargo. De outro, Arthur Chioro, investigado pelo Ministério Público de São Paulo por presidir, enquanto secretário de Saúde de São Bernardo do Campo (SP), consultoria que prestava serviços para prefeituras paulistas comandadas pelo PT, soma-se à equipe do primeiro escalão do governo Dilma Rousseff. Sem falar de Alexandre Padilha, que deixa a Esplanada dos Ministérios para disputar o governo do maior estado da Federação anunciando, enfim, o cancelamento de convênio que a pasta mantinha com ONG que tem o pai dele como sócio-fundador.

Se para bom entendedor meia palavra basta, não é preciso dizer mais nada. Está para lá de explícito que a ética não norteia a reforma ministerial ora em andamento. E o caso Chioro é emblemático. Importa que ele seja afilhado político do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, além de protegido do prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho. Bons antecedentes e reputação ilibada não são critérios de escolha para nomeações. Tanto faz se o art. 37 da Constituição estabelece que a administração pública deve obediência aos princípios de legalidade, impessoabilidade e moralidade. O fato cristalino é que o malfeito se perpetua impunemente na mais elevada esfera do Estado brasileiro.

A reforma nasce, pois, com pecado original. Nem aos mais otimistas a nódoa deixa espaço para prognósticos positivos. Se a oportunidade de qualificar o quadro é posta de escanteio, quem haverá de sonhar com uma máquina azeitada, de engrenagens deficientes trocadas, pronta para superar os muitos obstáculos, fazer as obras andarem, a infraestrutura nacional realizar-se, o PIB crescer? Tampouco dá para imaginar um enxugamento que restabeleça a decência no tamanho da administração federal, com 39 ministérios. Entra-se num vale-tudo, cujo único objetivo visível no horizonte é a vantagem eleitoral da presidente rumo ao segundo mandato.

Arthur Chioro é só uma pedra nesse xadrez de tabuleiro viciado. Mas tem o peso do rei. Enquanto inquérito civil público corre em segredo de Justiça, informações vazam para a mídia, e a população toma conhecimento das suspeitas, a presidente Dilma Rousseff ignora as apreensões e ocupa-se de tramar a jogada definitiva, o xeque-mate que amanhã será coroado com cerimônia de posse no Palácio do Planalto. Uma vez ministro, o ex-secretário municipal passará a contar com o privilégio constitucional do foro privilegiado. Ou seja, somente poderá ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Bom para ele, ruim para o cidadão cansado da impunidade e ansioso por ver a Saúde deste país curada de tantos males.
http://www.eb.mil.br/web/imprensa/resenha?p_p_id=56&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-3&p_p_col_count=1&_56_groupId=18107&_56_articleId=4547640&_56_returnToFullPageURL=http%3A%2F%2Fwww.eb.mil.br%2Fweb%2Fimprensa%2Fresenha%3Fp_auth%3DJ5xF3wH5%26p_p_id%3Darquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d%26p_p_lifecycle%3D1%26p_p_state%3Dnormal%26p_p_mode%3Dview%26p_p_col_id%3Dcolumn-3%26p_p_col_count%3D1%26_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_mes%3D2%26_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_ano%3D2014%26_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_data%3D02022014%26_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_javax.portlet.action%3DdoSearch

Nenhum comentário: