sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Carvalho culpa PM

Resenha EB / Correio Braziliense
14 Fev 2014

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, responsabilizou ontem a Polícia Militar do DF pelo tumulto em frente ao Palácio do Planalto na manifestação do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), na quarta-feira. Segundo o ministro, uma informação errada desencadeou o confronto que deixou cerca de 40 pessoas feridas, a maioria policiais.

Carvalho disse que o comando da PM recebeu a denúncia de que havia porretes em um dos ônibus usados pelos manifestantes quando, na verdade, o veículo guardava cruzes de madeira que seriam exibidas pelos sem-terra e pedaços de pau para montagem de barracas. "A PM teve uma informação, que eu não sei de onde veio, de que o ônibus do MST estava com porretes que poderiam ser usados contra a polícia. O comandante, que não vou criticar porque ainda não falei com ele, tomou a decisão de fazer um grupo da PM entrar na multidão para trancar o ônibus", declarou o ministro, ao deixar, ontem à noite, o Congresso Nacional do MST, no Ginásio Nilson Nelson.

A tentativa de interditar o ônibus provocou a reação dos militantes do movimento, que partiram para o confronto com os policiais. Para o ministro, foram os líderes da manifestação que evitaram uma tragédia maior, ao proteger os policiais. Procurada pelo Correio, a assessoria do GDF não retornou as ligações para comentar as declarações de Carvalho.

No evento do MST, a preocupação foi com a possibilidade de aprovação, no Senado, da chamada lei antiterrorismo. Considerado vago, o substitutivo apreciado nesta semana abriria margem para a criminalização dos movimentos sociais. "Felizmente, esse movimento foi nesta semana, pois o Senado quase aprovou uma lei que diz que se manifestar e ocupar prédio público é terrorismo. E é difícil encontrar alguém aqui que não seja enquadrado por ela", disse o pedagogo e presidente nacional do PSol, Luiz Araújo. "Estaremos com vocês na luta contra esse projeto, que surgiu como lei antiterror e que mostrou ser uma lei antipovo, uma lei antimanifestação", disse Márcio Astride, representante do Greenpeace na plenária. Além de Gilberto Carvalho, o PT foi representado pelo governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, e por vários parlamentares do partido.
http://www.eb.mil.br/web/imprensa/resenha?p_p_id=56&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-3&p_p_col_count=1&_56_groupId=18107&_56_articleId=4662682&_56_returnToFullPageURL=http%3A%2F%2Fwww.eb.mil.br%2Fweb%2Fimprensa%2Fresenha%3Fp_auth%3DlffE7MiS%26p_p_id%3Darquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d%26p_p_lifecycle%3D1%26p_p_state%3Dnormal%26p_p_mode%3Dview%26p_p_col_id%3Dcolumn-3%26p_p_col_count%3D1%26_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_mes%3D2%26_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_ano%3D2014%26_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_data%3D14022014%26_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_javax.portlet.action%3DdoSearch#.Uv34JWJdVIU

Nenhum comentário: