segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Na Argentina, 75% consideram situação econômica preocupante

Clipping MP / O Globo / Janaína Figueiredo
- 20/01/2014

Os argentinos estão vivendo um mês de janeiro atípico. Longe da relativa tranquilidade dos últimos verões, este ano o país está em estado de alerta por sinais cada vez mais preocupantes de sua economia. Na semana passada, o dólar paralelo, que o governo Cristina Kirchner insiste em ignorar, subiu 1,15 peso e fechou em 11,95, a cotação mais alta desde 1991. A nova equipe econômica, chefiada pelo jovem ministro Axel Kicillof minimiza um problema que economistas locais consideram grave e diretamente relacionado ao principal drama que assola o país: uma inflação que no ano passado, de acordo com as principais empresas de consultoria privadas, alcançou 28,3% e este ano poderia chegar a 40%. Pelo índice oficial, a alta foi de meros 10,9%.

Sem saber como conter a demanda de dólares, o Banco Central da República Argentina (BCRA) continua perdendo reservas - na sexta-feira passada, o montante caiu para US$ 29,7 bilhões, o mais baixo desde 2006 -, e o clima de intranquilidade é cada vez maior. De acordo com pesquisa divulgada neste domingo pelo jornal “Clarín”, 75% dos argentinos acreditam que a economia vai mal.

- É preciso mudança. Este modelo não está funcionando e está empobrecendo a Argentina - disse o ex-ministro da Economia Roberto Lavagna, que comandou a pasta nos primeiros anos de gestão de Nestor Kirchner (2003-2007) e hoje é um importante membro do peronismo dissidente.

Cenário mudou em dois anos

A sensação de que o modelo kirchnerista esgotou-se é cada vez maior entre os argentinos. Segundo a mesma pesquisa do “Clarín”, hoje o aumento de preços e a insegurança são as principais preocupações da sociedade. Cerca de 55% dos argentinos acham que a situação pessoal vai piorar em 2014 e apenas 12% esperam melhora. Em 2011, quando Cristina foi reeleita com 54% dos votos, apenas 12% dos apontavam a inflação como um problema central da economia do país. Nesse período, o BCRA perdeu US$ 21,5 bilhões.

Em pouco mais de dois anos, o cenário econômico e político do país modificou-se de forma expressiva. A Argentina passou de ter uma presidente onipresente, que falava por rede nacional de rádio e TV todas as semanas, a uma Cristina em silêncio, ainda às voltas com problemas de saúde. A chefe de Estado não fala ao país há mais de 40 dias e neste período foram divulgadas pouquíssimas imagens de Cristina, em meio a fortes rumores sobre sua saúde.

Apesar da onda de apagões que deixou vários bairros de Buenos Aires às escuras por até três semanas, a disparada do dólar paralelo, a pressão dos sindicatos por reajustes salariais de até 35%, a sangria de reservas do BCRA, a expectativa de uma inflação de 3,5% este mês e a crescente falta de alguns produtos nos supermercados, a presidente passa seus dias na residência oficial de Olivos, vai cada vez menos à Casa Rosada e permanece calada.

No domingo, Kicillof embarcou para Paris, onde espera-se que tente avançar nas negociações com o Clube de Paris para saldar uma dívida estimada em US$ 10 bilhões. Não está claro, porém, qual será sua proposta, mas segundo informações extraoficiais a ordem de Cristina foi conseguir melhorar as relações do país com a comunidade internacional.

Tudo aumenta na Argentina, dos alimentos, ao pedágio, os planos de saúde privados e as tarifas de transporte. Em muitos casos, os reajustes são superiores a inflação calculada pelos economistas e chegam a 50% de um mês para o outro. Nos últimos dias, algumas redes de supermercados, como o Carrefour, ampliaram as limitações na venda de alimentos como biscoitos e macarrão. Uma legenda avisa: "Produto para consumo familiar: máximo duas unidades por pessoa". Ainda não se fala em desabastecimento, mas na economia argentina tudo tem mudado e se deteriorado muito rápido, e o temor entre economistas e a população é grande.
http://clippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2014/1/20/na-argentina-75-consideram-situacao-economica-preocupante/?searchterm=

Nenhum comentário: