sábado, 25 de janeiro de 2014

Governo vai trazer mais 2 mil médicos cubanos

O Estado de S. Paulo / Fabiana Cambricoli
24 de janeiro de 2014 | 22h 06

Decisão ocorre após terceira fase do Mais Médicos atrair apenas 891 profissionais brasileiros e estrangeiros; hoje, 5,4 mil caribenhos já atuam no País

SÃO PAULO - O Ministério da Saúde anunciou nesta sexta-feira, 24, que trará ao País mais 2 mil cubanos para preencher vagas não ocupadas do programa Mais Médicos. Hoje, dos 6,6 mil profissionais que atuam pelo projeto, 5,4 mil são cubanos.

Os novos profissionais começarão a chegar ao Brasil a partir de terça-feira. Eles vão desembarcar nas cidades de Brasília, Fortaleza e São Paulo, onde farão o curso de formação e acolhimento, que tem duração de três semanas. Em seguida, passarão por avaliação e, caso aprovados, começarão a embarcar rumo às cidades nas quais vão atuar. A previsão do Ministério é de que esses cubanos comecem a atender em março.

A decisão de trazer mais médicos do país caribenho ocorreu após a terceira fase do programa atrair apenas 891 profissionais brasileiros ou estrangeiros que se inscreveram de forma independente. O número equivale a apenas 14% das 6,3 mil vagas oferecidas pelo governo na terceira etapa.

Para atingir sua meta de ter 13 mil médicos atuando pelo programa até março, o governo federal, além de trazer mais cubanos, abriu ontem a quarta fase de inscrições do Mais Médicos. Os candidatos terão até as 20 horas do dia 5 de fevereiro para manifestar interesse.

Distribuição. O Ministério ainda não definiu quais cidades receberão os 2 mil novos médicos cubanos. Já os 891 profissionais brasileiros e estrangeiros, selecionados também na terceira etapa, já escolheram seus locais de trabalho. De acordo com o governo federal, a maior parte deles (274) vai atuar no Nordeste. A segunda região que receberá mais profissionais será o Sudeste (230), seguido por Sul (178), Norte (123) e Centro-Oeste (86). Os brasileiros começarão a atuar no dia 3 de fevereiro e os estrangeiros, no dia 5 de março.

Cronologia.

6 de maio. O ex-ministro das Relações Exteriores Antonio Patriota anunciou que o governo negociava a vinda de 6 mil médicos cubanos. Dois dias depois, o governo anunciou ter "desistido" e disse que ia dar prioridade para Portugal e da Espanha.

8 de julho. É lançado o Mais Médicos.

21 de agosto. Alegando que a quantidade de médicos habilitados na primeira chamada do Mais Médicos atenderia a 6% da demanda, o governo anuncia convênio com a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) para a contratação de 4 mil cubanos. No entanto, com o baixo interesse, estima-se que até 10 mil das 13 mil vagas do projeto fiquem para cubanos.

2 de novembro. Os primeiros cubanos que vão atuar em São Paulo chegam ao Estado.
http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,governo-vai-trazer-mais-2-mil-medicos-cubanos,1122625,0.htm

Nenhum comentário: