quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

A Argentina é somente o começo

Resenha EB / Valor Econômico / Tony Volpon
30 Jan 2014

Se engana quem pensa que a crise que eclodiu na Argentina nos últimos dias não vai apresentar dificuldades adicionais não somente para o Brasil, mas para todos os mercados emergentes. Os otimistas podem argumentar que não há muito com que se preocupar, afinal a Argentina é um caso à parte dentro do complexo das economias emergente. A Argentina adotou como ponto mestre da sua política um tipo de "autarquia financeira" como reação à sua crise de 2002. Não querendo "se curvar" às demandas do capital internacional, o regime dos Kirchners fechou a Argentina aos mercados, adotando atitude beligerante com uma longa lista de atores, do FMI ao Clube de Paris e aos investidores reclamando seus direitos na Justiça americana.

Durante os primeiros anos de recuperação da crise de 2002, que por sorte se deu no mesmo período em que a economia chinesa começou a devorar quantias crescentes de matérias primas como a soja, e ajudada por uma taxa de câmbio bastante depreciada pela sua própria crise, a heterodoxa autarquia financeira funcionou. Gerando superávits em sua conta corrente, a Argentina conseguiu a proeza de pagar sua reestruturada dívida e acumular reservas sem se relacionar com os mercados financeiros internacionais.

Este "modelo", que diga-se de passagem, recebeu muitos elogios de alguns economistas no Brasil, entra em franca decadência devido aos efeitos sobre a taxa de câmbio e a competitividade dos excessos fiscais do governo argentino financiados por emissão monetária. Os superávits da conta corrente se transformam em déficits, os níveis de reservas começam a cair, e apesar da criação do "cepo cambiário", da manipulação da taxa de inflação e da repressão das importações (negativamente afetando a indústria brasileira), a Argentina hoje enfrenta uma clássica crise cambial.

Devemos nos diferenciar de outros emergentes que relutam em tomar as decisões necessárias

A "boa noticia" é que a peculiar autarquia financeira dos Kirchners fez a Argentina não participar do longo "boom" dos mercados emergentes da ultima década. Combinado com a baixíssima nota dada ao país pelas agências de crédito, poucos investidores têm títulos argentinos nas suas carteiras: operar títulos deste país virou uma arriscada especialidade de investidores procurando altíssimos retornos aceitando altíssimos riscos. Assim, não devemos ver, no episódio atual, a dinâmica de contágio onde investidores, sofrendo perdas em suas carteiras devido à crise em um determinado país, são forçados a vender títulos de outros países para cobrir suas perdas.

Mas apesar das excentricidades da Argentina, ela tem com muitas outras economias emergentes um problema em comum: a exaustão de seu modelo de crescimento. A Argentina pode ser o "elo mais fraco", mas é somente um entre muitos países emergentes, inclusive o Brasil, que tem visto forte queda no seu crescimento econômico. O que hoje une um arco de países que passa da Argentina ao Brasil, Turquia e Índia, é a exaustão de modelos de crescimento que tiveram como bases externas o acelerado crescimento chinês e a expansão de liquidez monetária nos países desenvolvidos, levando a fortíssimos fluxos financeiros (a época da "guerra cambial"). Cada país, do seu jeito e modo, aproveitou essa combinação excepcional para crescer, com muitos deles passando por ciclos de expansão do crédito e do consumo.

A retração dessas forças globais, junto com os limites intrínsecos a qualquer ciclo de alavancagem doméstica, implicam que cada país precisa se "reinventar" no quesito crescimento. Essa tarefa é árdua porque pode implicar necessários ajustes macroeconômicos não muito agradáveis, como reajustar gastos a um novo, e menor, patamar de crescimento da receita tributaria. Muitos emergentes, e eu colocaria o Brasil nesse grupo, têm tido dificuldade em admitir a necessidade de ajustes perante suas "novas classes médias", especialmente quando enfrentam pleitos eleitorais iminentes.

A crise atual dos mercados emergentes é uma crise de crescimento. A novidade dos últimos dias foram as quedas acentuadas nas bolsas globais dos preços das ações de empresas com forte exposição a países emergentes. Se os mercados começarem a punir empresas com exposição aos emergentes, da mesma forma que os brindou nos últimos anos pela mesma razão, a tendência será dessas empresas diminuírem investimentos nos emergentes. Da mesma maneira que os mercados, infelizmente sem muita discriminação, colocaram dinheiro nos emergentes nos últimos anos, podem também, sem muito critério, saírem dos emergentes se acreditarem que agora vamos ver baixo crescimento, políticas econômicas insustentáveis e instabilidade política nesse grupo de países. Essa pode ser a nova forma de contágio entre emergentes.

Devemos tomar ciência de que estamos entrando em um período com novos e perigosos desafios. O pior erro que podemos cometer é ver somente o lado bom da recuperação (ainda frágil) das economias desenvolvidas. Devemos imediatamente nos diferenciar de outros emergentes que relutam em tomar as decisões necessárias em função de restrições políticas e eleitorais. O mercado não espera.
http://www.eb.mil.br/web/imprensa/resenha?p_p_id=56&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-3&p_p_col_count=1&_56_groupId=18107&_56_articleId=4536074&_56_returnToFullPageURL=http%3A%2F%2Fwww.eb.mil.br%2Fweb%2Fimprensa%2Fresenha%3Fp_auth%3DNdtHn2zQ%26p_p_id%3Darquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d%26p_p_lifecycle%3D1%26p_p_state%3Dnormal%26p_p_mode%3Dview%26p_p_col_id%3Dcolumn-3%26p_p_col_count%3D1%26_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_mes%3D1%26_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_ano%3D2014%26_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_data%3D30012014%26_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_javax.portlet.action%3DdoSearch

Nenhum comentário: