terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Relação com a Argentina é cada vez mais difícil

Resenha EB / O Globo
17 Dez 2013

Editorial

Não está em questão o sentido estratégico do Mercosul, capaz de reduzir tensões regionais históricas, por meio do comércio e integração econômica. O grande ponto de interrogação que paira sobre o bloco trata da viabilidade de a aliança continuar como uma união aduaneira diante da crise da Argentina, o segundo vértice do Mercosul.

Na prática, a união que permitiria a circulação livre de mercadorias entre os integrantes do grupo não existe, porque a Argentina, com uma economia intoxicada de inflação, com sérios problemas de competitividade — mais que o Brasil está em crise cambial e usa e abusa de barreiras protecionistas para tentar estancar a sangria de divisas. Até o mês passado, as reservas externas argentinas haviam caído no ano US$ 10 bilhões até ficarem pouco acima dos US$ 33 bilhões. Não estiveram tão baixas desde 2007. O novo ataque da Casa Rosada contra as exportações brasileiras, noticiado domingo pelo GLOBO, atinge talvez o principal pilar da integração das duas economias, a indústria automobilística. Em certa medida, as montadoras, ao distribuírem a produção entre Brasil e Argentina, se anteciparam ao entendimento político para a instituição do bloco, também com o Uruguai e Paraguai.

Na sexta-feira, em reunião com o chefe de Gabinete da presidente Cristina Kirchner, Jorge Capitanich, e o ministro da Economia, Axei Kiciliof, representantes da indústria comunicaram à Casa Rosada a preocupação com a informação de que a Argentina, no primeiro semestre do ano que vem, reduziria as importações de veículos em algo entre 20% e 27,5%.

O Brasil será o mais atingido. No ano passado, o superávit do país, neste segmento, foi de US$ 1,02 bilhão; já em autopeças, US$ 2,28 bilhões. Na prática, ao erguer barreiras contra o vizinho, atropelando, mais uma vez, os princípios de uma união aduaneira, a Argentina quer proteger reservas à custa das exportações brasileiras — até porque sabe que o Planalto, por motivações ideológicas, finge não entender que a Argentina rasga acordos do Mercosul. Mas há registros de que, apesar das conveniências políticas de inquilinos do Planalto, a postura argentina causaria irritações. Afinal, também em negociações de um acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia, uma longa novela, a Casa Rosada joga na retranca do protecionismo e resiste a fazer concessões sem as quais acertos neste campo não se concretizam.

Tudo fica ainda mais preocupante com os sinais de aprofundamento da crise política e social, com a explosão de saques, deflagrados a partir de uma greve da polícia em Córdoba. Inflação de 25%, protecionismo e tensão nas ruas, com evidentes desdobramentos políticos, tornam as relações com a Argentina cada vez mais complicadas.
http://www.eb.mil.br/web/imprensa/resenha?p_p_id=56&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-3&p_p_col_count=1&_56_groupId=18107&_56_articleId=3979568&_56_returnToFullPageURL=http%3A%2F%2Fwww.eb.mil.br%2Fweb%2Fimprensa%2Fresenha%3Fp_auth%3DYncQo5Va%26p_p_id%3Darquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d%26p_p_lifecycle%3D1%26p_p_state%3Dnormal%26p_p_mode%3Dview%26p_p_col_id%3Dcolumn-3%26p_p_col_count%3D1%26_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_mes%3D12%26_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_ano%3D2013%26_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_data%3D17122013%26_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_javax.portlet.action%3DdoSearch#.UrAjvNJDtIU

Nenhum comentário: