domingo, 15 de dezembro de 2013

A democracia está em dívida

Resenha EB / Folha de São Paulo / Clóvis Rossi
15 Dez 2013

População no Brasil e na Argentina não sente falta das ditaduras, mas quer governos para as maiorias

Durante a campanha eleitoral de 1983 na Argentina, a que formalizaria o fim de uma das mais nefandas ditaduras da história, Raúl Alfonsín, o candidato que se elegeria, baseava sua propaganda naquilo que a democracia seria capaz de oferecer: comer mais, ter uma educação e um sistema de saúde melhores e assim por diante.

Acreditei, por mais que já tivesse idade (40 anos à época) para ser cético com tudo e todos. Afinal, parecia lógico, e saudável, que a democracia oferecesse também uma vida melhor, além de vantagens intrínsecas (liberdades públicas, respeito aos direitos humanos etc.).

Continuo acreditando, mas sou obrigado a reconhecer que as promessas de Alfonsín não se cumpriram, do que dão a prova mais recente os saques desta semana.

Aliás, no Brasil também o retorno à democracia esteve longe de ser um piquenique no bosque. Foi preciso esperar dez anos para que o Plano Real estabilizasse a economia e permitisse o início de um ciclo virtuoso em que, de fato, quase tudo está melhor.

Não obstante, a satisfação com a democracia é bem maior na tumultuada Argentina de hoje do que no mais estável Brasil.

Aqui, é importante introduzir um matiz relevante: não é que brasileiros e argentinos (ou demais latino-americanos) sintam saudades das ditaduras. Ao contrário: o mais recente Latinobarômetro, o melhor termômetro sobre o estado de espírito dos habitantes do subcontinente em relação às suas instituições, mostra que apenas 19% dos brasileiros e 15% dos argentinos acham que, "em determinadas circunstâncias, um governo autoritário pode ser melhor que um democrático".

A democracia, portanto, é um valor inobjetável. O problema é a maneira como ela anda funcionando nos nossos tristes trópicos --e aqui entra-se em um aparente paradoxo: só pouco mais de 20% dos brasileiros estão satisfeitos com o funcionamento da democracia, enquanto 50% dos argentinos aprovam a sua, embora o quadro geral no Brasil pareça bem mais favorável do que o da Argentina.

É evidente que a democracia está em dívida com parcelas substanciais de brasileiros, argentinos e latino-americanos em geral (apenas 40% se dizem satisfeitos com ela, na média do subcontinente).

O problema parece ser a distância que se foi cavando (ou sempre existiu?) entre governantes e governados: a grande maioria dos brasileiros (mais de 80%), dos argentinos (pouco menos de 80%) e dos latino-americanos (70% na média geral) dizem não acreditar que seus respectivos países sejam governados em benefício da maioria.

Em outra era, essa situação fatalmente levaria a que os marginalizados do poder batessem às portas dos quartéis. Como os regimes militares decorrentes desses apelos espúrios foram um fracasso não só do ponto de vista econômico-social, mas também, como é óbvio, em direitos humanos, golpes militares caíram de moda.

A democracia parece um modelo indiscutível. Mas é preciso que ela vá pagando sua dívida, sob pena de as turbulências ganharem não mais os quartéis, mas as ruas.
http://www.eb.mil.br/web/imprensa/resenha?p_p_id=56&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-3&p_p_col_count=1&_56_groupId=18107&_56_articleId=3972366&_56_returnToFullPageURL=http%3A%2F%2Fwww.eb.mil.br%2Fweb%2Fimprensa%2Fresenha%3Fp_auth%3DekADOz6B%26p_p_id%3Darquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d%26p_p_lifecycle%3D1%26p_p_state%3Dnormal%26p_p_mode%3Dview%26p_p_col_id%3Dcolumn-3%26p_p_col_count%3D1%26_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_mes%3D12%26_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_ano%3D2013%26_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_data%3D15122013%26_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_javax.portlet.action%3DdoSearch#.Uq2EvNJDtIU

Nenhum comentário: